O dia em que meu prato se quebrou



Por Max Lucado


Já passava da meia-noite em Dalton, Geórgia, quando eu entrei numa cabine telefônica, meio escura, para fazer uma ligação para a minha família. Meu primeiro trabalho de verão não estava produzindo como deveria. O trabalho era pesado. Meus dois melhores amigos haviam pedido demissão e retornado para o Texas, e eu estava dormindo em beliches no Exército da Salvação até que pudesse achar um apartamento.
Para um grande e forte rapaz de 19 anos de idade, eu com certeza me senti bem pequeno.
As vozes da minha mãe e do meu pai nunca pareceram tão doces. E embora eu tentasse esconder, a minha solidão era óbvia. Eu havia prometido aos meus pais que, se eles me deixassem ir, eu aguentaria por todo o verão. Mas agora aqueles três meses pareciam uma eternidade.
Após ter explicado a minha situação, eu poderia dizer que a minha mãe queria que eu voltasse para casa. Mas quando ela começou a dizer, "Porque você não volta...", meu pai, que estava na extensão, a interrompeu. "Nós adoraríamos se você voltasse, mas nós já quebramos o seu prato". (Esta era uma frase usada no oeste do Texas, que queria dizer "Nós o amamos, Max, mas é hora de crescer").
Precisa ser um pai inteligente para saber quando é a hora de colocar o seu filho fora do ninho. É doloroso, mas tem que ser feito. Serei sempre grato ao meu pai por ter me dado asas para voar e por me fazer usá-las.
Quais são alguns dos "ninhos" em que nos sentimos muito confortáveis?
Você já teve uma experiência positiva como esta "quebra de pratos"?
Precisa de uma agora?

Comentários

Postagens mais visitadas

Mensagens Diárias 5

Bom é inimigo do ótimo

Egoísmo